sábado, 15 de janeiro de 2022

Proventos e Investimentos - Janeiro 2022

Parcial de janeiro: 


Carteira -0,41% x 2% Ibovespa 

Proventos:

Tesouro Direto (cupons)

Yield de 3,72% no mês (3,72%* no ano)

Ações (dividendos e JCP)

- ITUB3    R$0,015/ação*
- B3SA3   R$0,042/ação*

Yield de 0,029% no mês (0,029% no ano)

*valores líquidos, já descontado o IR correspondente.

Compras do mês: até aqui, NTN-F 010131. Aporte provavelmente será feito em B3 ou Lojas Renner.

Bom, era isso. Um ótimo final de janeiro a todos!

quarta-feira, 5 de janeiro de 2022

Planejamento da carteira - controle, projeção e plano de ação para o primeiro semestre 2022

Desde que estabeleci objetivos para o meu dinheiro, janeiro e julho deixaram de ser meros meses de balanço: eles passaram a ser mais importantes do que isto.


O fechamento do semestre passou a ser um ponto de chegada/partida importante para a análise do planejamento estabelecido.

Como já expus nas postagens anteriores, cujos links podem ser acessados aquiaquiaquiaquiaquiaquiaquiaquiaquiaquiaqui, aquiaqui, aqui, aquiaqui e aqui, a pergunta que me faço nestas horas é: "como estou me saindo?"

Eis a resposta atualizada, tendo por base os dados do 2° semestre de 2021:

Ganhos/Gastos (comparação com 2020)

                               (1° sem)        (2° sem)         (anual)
▲% dos Ganhos:    +2,83%       +26,42%        +14,46%
▲% dos Gastos:     -5,59%        +79,79%         +33,22%

Proporção dos Gastos com relação aos Ganhos:

             (1º sem)       (2° sem)        (anual)  
2021      60,65%        80,46%         71,44%
2020      66,06%        56,58%         61,38%
2019      78,86%        55,52%         66,73%
2018      78,76%        67,14%         72,69%
2017      81,10%        61,56%         69,96%
2016      73,14%        68,47%         70,71%
2015      49,05%        49,20%         49,12%
2014      43,45%        30,71%         35,98%
2013      48,49%        22,37%         33,58%
2012      45,91%        15,52%         27,45%
2011      67,71%        24,09%         40,11%
2010      66,53%        30,70%         44,55%
2009      80,14%        34,32%         51,25%

Meta: 50%

Aportes - proporção dos Aportes com relação aos Ganhos:

            (1º sem)      (2° sem)       (anual)
2021     39,11%        19,34%       28,34%
2020     31,43%        42,26%       36,83%
2019     20,86%        44,22%       32,99%
2018     18,46%        31,73%       25,39%
2017     13,97%        35,84%       26,43%
2016     30,20%        19,73%       24,76%
2015     46,76%        48,74%       47,68%
2014     45,53%        57,84%       52,23%
2013     34,04%        65,88%       52,60%
2012     42,67%        67,89%       56,12% 
2011     16,89%        67,45%       48,36%
2010     26,80%        61,16%       46,93% 
2009     14,36%        59,37%       45,18%

Renda Passiva (Yield) da Carteira:

2021       9,69%
2020       4,89%
2019       5,98%
2018       6,20%
2017       3,73%
2016       3,51%
2015       4,35%
2014      10,14%
2013      11,82%
2012       9,17%
2011       7,52%
2010       5,00%
2009       8,89%


Meta: 10% 
Uma vez apresentadas as variáveis, passo a comentá-las.

Com relação aos Ganhos:

Mesmo com pandemia e trabalhando em home office, aceitei o desafio de trocar de setor onde trabalho. Posteriormente, esta decisão me trouxe a oportunidade de exercer ali uma função remunerada, o que incrementou consideravelmente a renda ativa a partir do segundo semestre - e também irá alavancar esta mesma renda no próximo ano.

Profissionalmente, nada tenho para me queixar de 2021.

Com relação aos Gastos:

Antes de mais nada, preciso informar que aproveitei o incremento da renda ativa para tirar do papel algumas compras que foram postergadas nos últimos anos. A maior delas eu comentei, inclusive, no fechamento de novembro.

Como foram gastos feitos à vista, dentro de um orçamento controlado, não chegaram a atrapalhar a meta de aporte anual, tópico que será analisado a seguir.

Analisando apenas as despesas recorrentes, a proporção dos gastos com relação aos ganhos foi de 51,38% (ou 55,60% no ano), muito próximo da meta estabelecida (50%).

Para 2022, a expectativa é bater a meta com uma certa folga, principalmente porque retirou-se do caminho necessidades pessoais que ficavam cada vez mais difíceis de postergar.

É o que costumo repetir por aqui: o foco está em controlar as despesas, mas sem grandes privações. E isso vem funcionando muito bem até o presente momento.

Com relação aos Aportes:

O aporte de dinheiro novo ficou 4,52% abaixo do planejado para o semestre. Ainda assim, fechei o ano aportando 28,43% a mais que o planejado e com 77,85% da meta estabelecida para o presente decênio (2015-2024) concluída.

Para este ano, o objetivo é acelerar ao máximo os aportes, para alcançar essa meta o mais rápido possível e, caso seja bem sucedido, antecipar os desafios que me aguardam no próximo decênio. 

Em valores absolutos, será um desafio e tanto!

Com relação ao Yield:

A base de cálculo do Yield aqui apresentado é diferente da que divulgo mensalmente, pois ela leva em conta o patrimônio bruto (preço de compra, declarado no IRPF) do fechamento do ano anterior; já o Yield divulgado mês a mês tem por base o patrimônio bruto (preço de compra) do fechamento do mês em questão.

Em valores absolutos, houve um incremento de 77,65% nos proventos recebidos quando comparados ao segundo semestre de 2020 (126,98% no ano).

Outro ponto a ser destacado com relação aos proventos recebidos é que eles corresponderam a 45,93% dos Gastos no semestre (57,29% no ano). Analisando apenas as despesas recorrentes, os proventos corresponderam por 71,92% dos Gastos no semestre (73,62% no ano).

Tais resultados, no valor que foram pagos, não seriam possíveis sem a ajuda do Governo Federal, e aqui deixo meu especial agradecimento ao Ministério da Economia, por ter levado 3 anos para apresentar uma reforma no IR apatetada e inexequível, que acabou morrendo na praia mesmo tendo sido aprovada pela Câmara dos Deputados em outubro.

Ainda assim, o susto foi tão grande que praticamente obrigou as empresas a limparem suas contas de lucros a pagar para evitar uma nova tributação de valores já pesadamente tributados. A situação foi tão surreal que algumas empresas listadas, inclusive, se endividaram para antecipar proventos aos acionistas.

Sério, parabéns aos envolvidos.

Acredito ser importante fazer também alguns esclarecimentos.

A meta de crescimento do patrimônio para 2021 era a mesma dos anos anteriores: 30%. No ano que passou ele encolheu 0,62%. É a primeira vez que o valor total encolhe, apesar dos aportes e reinvestimentos realizados dentro desses 12 meses.

A divisão da carteira para 2021 ficou assim estabelecida: 80% Ações e 20% TD. Mesmo aportando dinheiro novo em renda fixa no primeiro semestre, a diferença permaneceu praticamente inalterada este ano. É bastante provável que os aportes prossigam, mas como o foco segue sendo o longo prazo e os preços das ações seguem muito atrativos, o objetivo maior será não ampliar ainda mais essa diferença.

Nos últimos seis meses de 2021 não houve acréscimo de ativos novos à carteira, apenas rebalanceamentos. Os aportes reforçaram as posições de B3, Itaú, Metal Leve, Lojas Renner, Porto Seguro e Vale. Houve também a cisão dos BDRs da XP pertencentes ao Itaú em outubro, que foram vendidas e convertidas em novas ações do próprio Itaú.

M. Dias Branco segue sem novos aportes desde o primeiro semestre de 2021; Ambev e Grendene, desde 2020; Taesa, desde desde 2019; e Weg, desde 2018.

Para o semestre que iniciou já foram reinvestidos os cupons do TD e a meta será prosseguir com o balanceamento da carteira, nos moldes do que já venho fazendo (aporte + reinvestimento). 

Não planejo vender nenhum ativo, mas estou ciente de que pelo menos parte do aporte semestral será destinado para a renda fixa, como já foi feito em 2021 (20% do dinheiro novo).

Bom, era isso. Desejo a todos um excelente 2022!

quinta-feira, 30 de dezembro de 2021

Fechamento - Dezembro 2021

 Atualização da carteira em 30/12/2021:


Com base na planilha de cotas do AdP, a carteira...

... teve uma valorização de 1,79% no mês (Ibovespa 2,85%)
... desvalorizou -4,98% no ano (Ibovespa -11,92%)
... tem uma rentabilidade histórica de 74,10
%
... teve um crescimento do capital de 1,39% no mês
... tem um crescimento do capital histórico de 397,93% (jan/2013).

Com relação aos proventos (calculados pelo preço médio de compra dos ativos):

Yield das ações no mês: 1,03% (no ano, 9,10%)
Yield do TD no mês: 0% (no ano, 7,35%)
Yield em dezembro: 0,90% (no ano, 8,88%)

 
Já a divisão da carteira ficou assim:


Ações:

ABEV3        6,12% 
B3SA3        4,42% 
GRND3       6,86%
ITUB3         8,89%
LEVE3        6,37%
LREN3        4,22%
MDIA3         5,72%
PSSA3        6,15%
TAEE11     10,35%
VALE5       18,15% 
WEGE3     22,75%

TD:
NTN-F 010123  11,33%
 
NTN-F 010125  11,32%
NTN-F 010127  12,82%
NTN-F 010129  12,68%
NTN-F 010131  51,85%


Caso você goste de ouvir uma música enquanto lê o resumo do mês, deixo aqui uma sugestão: 

Pink Floyd - Pillow Of Winds


Mais um ano que termina. Mais um ano que começa. A diferença dos demais foi que em 2021 teve um pouco de tudo. 

Inclusive, encerramos o ano testando positivo para Covid aqui em casa, sem poder aproveitar o Réveillon.

Como pegamos? Nem ideia... Só sei que os cuidados empregados e as duas doses da vacina fizeram com que a carga viral tenha sido baixa e não tenhamos virado estatística para o consórcio de imprensa.

Sem mais delongas, vamos aos números!

Proventos:

- ITUB3    R$0,015/ação*
- ABEV3   R$0,53/ação*
- B3SA3   R$0,149/ação
GRND3  R$0,079/ação
- MDIA3   R$0,0425/ação
- TAEE11 R$1,43/ação*

Proventos previstos para janeiro:

- Cupons NTN-F: R$48,81/cupom**
- ITUB3  R$0,015/ação*
- B3SA3 R$0,042/ação*

*valores líquidos, já descontado o IR correspondente.
**valor bruto, sem desconto do IR correspondente

Como já havia comentado no último post, o aporte de dinheiro novo foi direcionado para Porto Seguro e Itaú. 

Além disso, realizei a substituição dos BDRs que dispunha da XP por ações do Itaú, por constatar que:

1- mesmo com uma queda de 24% na sua cotação, as BDRs da XP recebidas equivaliam a mais ações do Itaú do que na época da cisão (+10%);
2- política de dividendos da XP (0%), contra 35% do Itaú;
3- possibilidade de compensar o lucro da venda desses BDRs com o prejuízo realizado em Cielo;
4- preguiça de aprender como declarar um BDR no IRPF 2022.

Na prática, só tenho a agradecer ao Itaú, que encontrou uma ótima maneira de remunerar o seu acionista num período onde reduziu o seu payout para o mínimo estatutário.

Quanto aos proventos recebidos em dezembro pela minha carteira, quase a sua totalidade foi paga nos últimos 3 dias. Assim, esses valores serão reinvestidos em janeiro, juntamente com os valores referentes aos cupons dos títulos públicos que possuo.

Desde já, saliento que o reinvestimento será feito independente do autor deste blog ganhar na mega da virada. O que poderá acontecer é do blog não ser mais atualizado caso este cenário se torne realidade.rs

Bom, era isso. Desejo um feliz e próspero ano novo a todos!

sábado, 18 de dezembro de 2021

Proventos e Investimentos - Dezembro 2021

 Parcial de dezembro: 


Carteira 4,31% x 5,18% Ibovespa 

Proventos:

Tesouro Direto (cupons)

Yield de 0% no mês (7,35%* no ano)

Ações (dividendos e JCP)

- ITUB3    R$0,015/ação*
- ABEV3   R$0,53/ação*
- B3SA3   R$0,149/ação
GRND3  R$0,079/ação
- MDIA3   R$0,0425/ação
- TAEE11 R$1,43/ação*

Yield de 1,08% no mês (9,24% no ano)

*valores líquidos, já descontado o IR correspondente.

No dia 10 foi creditado o valor das frações referentes à cisão entre Itaú e XP. Na minha planilha pessoal, considerei o valor como provento. E estudo a possibilidade de substituir os BDRs recebidos por ações do próprio Itaú.

Compras do mês: até aqui, ITUB3 e PSSA3. Como estudo a troca acima informada e vários dos proventos elencados (praticamente todos) só serão creditados nos últimos dias do ano, não descarto novos aportes até dia 30.

Bom, era isso. Boas festas a todos!

terça-feira, 30 de novembro de 2021

Fechamento - Novembro 2021

 Atualização da carteira em 30/11/2021:


Com base na planilha de cotas do AdP, a carteira...

 

... teve uma desvalorização de -5,70% no mês (Ibovespa -1,57%)
... desvalorizou -6,63% no ano (Ibovespa -14,40%)
... tem uma rentabilidade histórica de 70,55
%
... teve um crescimento do capital de -6,22% no mês
... tem um crescimento do capital histórico de 391,12% (jan/2013).

Com relação aos proventos (calculados pelo preço médio de compra dos ativos):

Yield das ações no mês: 0,17% (no ano, 8,27%)
Yield do TD no mês: 0% (no ano, 7,35%)
Yield em novembro: 0,15% (no ano, 8,15%)


 
Já a divisão da carteira ficou assim:



Ações:
ABEV3        6,49% 
B3SA3        4,49
GRND3       6,77%
ITUB3         7,42%
LEVE3        6,18%
LREN3        5,00%
MDIA3         6,35%
PSSA3        6,26%
TAEE11      10,45%
VALE5       16,59% 
WEGE3     22,65%
XPBR31      1,35%

TD:
NTN-F 010123  11,60
NTN-F 010125  11,38%
NTN-F 010127  12,81%
NTN-F 010129  12,64%
NTN-F 010131  51,57%

Carteira segurou bem o ano todo, comparado ao Ibovespa. Ainda que este mês tenha perdido feio para o índice, ela segue na frente quando analisamos o desempenho de 2021.

A torcida, contudo, é que ela retorne ao campo positivo em dezembro - o que me parece bem difícil, dadas as circunstâncias.

O resultado patrimonial restou prejudicado porque eu utilizei todos os proventos recebidos de Vale (sim, a grana estava aguardando alocação desde setembro) para pagar uma aquisição típica de quem está trabalhando em home office: um laptop novo.

Não, não foi um MacBook Pro 16". Um dia chego lá.

Como a compra foi agora na Black Friday e conhecendo o histórico das compras feitas nessa época em anos anteriores, fica a torcida para que ele chegue dentro do prazo previsto pelo vendedor.

Quanto ao aporte, ele foi normal em novembro. Por óbvio, insuficiente para se contrapor ao capital subtraído diante da aquisição realizada.

Sem mais enrolação, vamos aos números:

Proventos:

- ITUB3    R$0,015/ação*
GRND3  R$0,149/ação

Compras de novembro: B3 (B3SA3) e Lojas Renner (LREN3).

Em 05/11, houve a bonificação das ações das Lojas Renner, na proporção de 1 ação bonificada para cada 10 possuídas (1:10), avaliada em R$13,35 para cada ação recebida. 

Proventos previstos para dezembro:

- ITUB3    R$0,015/ação*
- MDIA3  R$0,0425/ação*

*valores líquidos, já descontado o IR correspondente.

Em outubro começou a divulgação dos balanços do terceiro trimestre de 2021. As divulgações seguiram até a segunda quinzena de novembro.

Segue a relação dos ativos da minha carteira de ações com seus respectivos resultados do 3t21:

Ambev:              R$3,552B
B3:                    R$1,176B
Grendene:          R$ 208M 
Itaú:                   R$5,723B
Lojas Renner     R$ 171M
Metal Leve         R$ 139M
M. Dias Branco  R$ 196M
Porto Seguro       R$ 60M
Taesa:                R$ 536M
Vale:                R$20,203B
Weg:                  R$ 812M
XP:                    R$1,039B

Bom, era isso. Um ótimo mês de dezembro a todos!

domingo, 14 de novembro de 2021

Proventos e Investimentos - Novembro 2021

 Parcial de novembro: 


Carteira 0,39% x 2,73% Ibovespa 

Proventos:

Tesouro Direto (cupons)

Yield de 0% no mês (7,35%* no ano)

Ações (dividendos e JCP)

- ITUB3    R$0,015/ação*
GRND3  R$0,149/ação

Yield de 0,17% no mês (8,33% no ano)

*valores líquidos, já descontado o IR correspondente.

Já em 05/11, houve a bonificação das ações das Lojas Renner, na proporção de 1:10, avaliada em R$13,35 por ação bonificada. 

Compras do mês: a definir. Provavelmente B3.

Bom, era isso. Um ótimo final de novembro a todos!