domingo, 1 de março de 2015

Fechamento - Fevereiro 2015

Atualização da carteira em 27/02/2015:

Com base na planilha de cotas do AdP, a carteira...

 
... teve uma valorização de 6,44% no mês (Ibovespa 9,97%)
... valoriza 2,97% no ano (Ibovespa 3,15%)
... tem uma rentabilidade histórica de -4,04%
... teve um crescimento do capital de 7,19% no mês
... tem um crescimento do capital de 47,53% desde janeiro de 2013.

Com relação aos proventos (calculados pelo preço médio de compra dos ativos):

Yield das ações no mês: 0,19% (no ano, 0,27%)
Yield dos FII no mês: 0,65% (no ano, 1,24%)
Yield do TD no mês: 0% (no ano, 4,23%)
Yield em fevereiro: 0,21% (no ano, 0,76%)


Já a divisão da carteira ficou assim:





Ações:
CMIG3   15,98% 
VALE5   13,48% 
ABEV3   10,17% 
CIEL3     10,23% 
CRUZ3   10,90% 
ELPL4      9,19% 
ETER3      8,52% 
GRND3   10,18%
ITUB3      11,35%

FII:
XPGA11   56,99% 
BCFF11b  43,01%

TD:
NTN-F 010121 68,32% 
NTN-F 010123 22,31
NTN-F 010125   9,37%


O mercado não aguarda pelos acontecimentos; ele os antecipa. E isso muitas vezes cria boas oportunidades de investimento.

Com a economia brasileira em recessão técnica, muitas empresas tiveram quedas de cotação expressivas nos meses anteriores. Contudo, os balanços anuais das boas empresas mostraram que o cenário pode ser bastante desafiador, mas não o suficiente para abalar seus negócios.

Tomando minha carteira como base, até o momento só tenho ressalvas ao balanço da Vale, e ainda assim diante de fatores alheios à empresa (no caso, queda no preço das commodities).

Acreditando na resiliência das nossas empresas, este mês o aporte foi pulverizado. Investi meu capital em Itaú, Eternit, Grendene, Eletropaulo, Cielo e Vale. 6 das 9 empresas da minha carteira de ações, portanto.

Mas a grande notícia do mês, pelo menos para mim, foi o anúncio da OPA da Souza Cruz. Como já escrevi a respeito, o que posso dizer no momento é que continuo sócio da empresa até a OPA ser confirmada oficialmente.

Substitutas para o papel já estão sendo estudadas, bem como não descarto a hipótese de dividir este valor em duas novas companhias, fechando o ciclo de diversificação na RV. Assim, a venda de uma será automaticamente a compra de outra(s).

Com relação aos proventos, recebi dividendos de XPGA11 (R$0,70/cota), de BCFF11b (R$0,72/cota) e de Itaú (R$0,31/ação); já JCP recebi de Itaú (R$0,46/ação*) e de Souza Cruz (0,01/ação*).

Para março receberei proventos de Itaú (R$0,015/ação), Ambev (R0,076/ação*), Cielo (R$0,48/ação*), XPGA11 (R$0,70/cota) e BCFF11b. Esse valor, somado ao aporte, seguirá para os papéis que tiverem ficado para trás na carteira - no momento, Eletropaulo e Eternit.

*valores líquidos, já descontado o IR correspondente.


Bom, era isso. Desejo a todos um excelente mês de março!

10 comentários:

  1. Respostas
    1. Boa noite, Beto!

      Sim, acredito tanto nela quanto na Cemig.

      Abraço!

      Excluir
    2. Toda carteira tem pelo menos uma aposta. Por enquanto é uma aposta.

      Excluir
  2. LdL,

    Realmente a OPA da CRUZ foi a notícia do mês.
    Aportar em 6 empresas no mês? Não acha que tá exagerando? Deve tá pagando uma grana em corretagem.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, PR!

      Entre novembro e janeiro eu recebi um considerável aporte de recursos em decorrência da troca do meu antigo emprego.

      O montante foi tão grande que me permitiu fechar a posição de Itaú em 2 meses e ainda sobrou para fazer o rebalanceamento quase completo da carteira.

      Tive um custo maior? Tive... mas foi uma situação totalmente atípica que, no meu entendimento, acabou muito bem aproveitada.

      Abraço!

      Excluir
  3. Elpl e cemig não parecem ser absurdas apostas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 2015 será o ano das elétricas, na minha modesta opinião.

      Abraço!

      Excluir
  4. LDL, bom resultado. Alinhado com Ibovespa (com menos volatilidade), na situação atual já está bom demais.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, EI!

      Penso que vivenciamos uma época excepcional para acumulação de patrimônio. O cenário é negativo, mas ainda está longe de ser catastrófico para as boas empresas.

      Abraço!

      Excluir